ADSL

 

(Asymmetric Digital Subscriber Line)

 

 

 

 

 

 

 

ÍNDICE

 

 

INTRODUÇÃO.. 3

DSL (Digital Subscriber Line) 3

ADSL (Asymmetric Digital Subscriber Line) 3

COMO FUNCIONA O ADSL. 5

A VELOCIDADE NO ADSL. 7

TECNOLOGIA.. 8

CONFIGURAÇÃO MÍNIMA.. 9

PLATAFORMAS QUE SUPORTAM O ADSL. 9

PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS UTILIZADOS EM ADSL. 10

COMO OS MODENS PARA ADSL FUNCIONAM... 13

PARÂMETROS DO ADSL. 14

VANTAGENS. 15

DESVANTAGENS. 16

PROTOCOLO PPPoE.. 16

AMPLIANDO O PODER DE CONEXÕES ADSL. 17

PADRÕES E ASSOCIAÇÕES. 18

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES SOBRE ADSL. 19

BIBLIOGRAFIA.. 22

 

 

 

 

 

 

 

INTRODUÇÃO

 

 

Nos últimos anos, os usuários de computadores vêm conseguindo um aumento na velocidade de conexão à Internet. Há algum tempo atrás os modens trabalhavam com linha analógica e atingiam velocidades de 33600 bps (bits por segundo). No início isso era uma velocidade aceitável, mas com o passar do tempo as necessidades dos usuários foram aumentando e novas tecnologias eram esperadas. Com o aparecimento das linhas digitais as velocidades atingidas chegaram a até 56000 bps. Com essa tecnologia podia-se enviar e receber arquivos de texto com uma performance bastante aceitável. Mas, com a necessidade de transmissão de dados multimídia as linhas digitais tinham uma performance já não desejada para grande parte dos usuários que queriam qualidade e rápida transmissão. Então surgiu uma nova tecnologia, que permite atingir velocidades maiores que as com os modens convencionais, utilizando a mesma rede telefônica. Essa tecnologia se chama ADSL.

 

 

 


DSL (Digital Subscriber Line)

 

 

DSL ou Linha Digital para Assinante, é uma família de tecnologias desenvolvida para prover serviços de dados de alta velocidade utilizando pares de fios de cobre. Procura aproveitar a planta externa existente das companhias telefônicas para resolver o problema do acesso (última milha), possibilitando a prestação de serviços de dados com baixo custo de implantação.

 

 

 

ADSL (Asymmetric Digital Subscriber Line)

 

 

A Estrada da Informação via Par-Trançado:

 

O termo ADSL ou Linha Digital Assimétrica para Assinante, foi concebido em 1989 e não se refere a uma linha, mas a modens que convertem o sinal padrão do fio de telefone par-trançado em um duto digital de alta velocidade. Os modens são chamados "assimétricos" porque eles transmitem dados da sua casa em uma velocidade menor do que recebe. O sistema ADSL atinge velocidades altíssimas comparadas as dos sistemas de transmissão de dados atuais.

Trata-se de uma tecnologia que permite a transferência digital de dados em alta velocidade por meio de linhas telefônicas comuns. O sistema ADSL permite transmissões de mais de 6Mbps (chegando ao máximo, hoje, de 9Mbps) de download para um assinante, e chegando à 640kbps (máximo de 1 Mbps) para upload. Tais taxas ampliam a capacidade de acesso existente para um fator de 50 ou mais sem a utilização de cabeamento público novo.

O sistema ADSL pode transformar a cadeia de informação pública já existente que é limitada a voz, texto e gráficos de baixa resolução para um sistema poderoso, onipresente capaz de trazer multimídia, incluindo vídeo em full-motion como, por exemplo, videoconferência, para a casa de todos. A cada dia, o ADSL ganha novos usuários, tanto é que este é o tipo de tecnologia para conexão à internet em banda larga mais usado no Brasil e um dos mais conhecidos no mundo.

Com o ADSL o mesmo par de fios de cobre pode ser utilizado simultaneamente como linha telefônica e como acesso banda larga a Internet descongestionando as centrais telefônicas e a linha do assinante.

 

 

 

 

O ADSL representará um papel crucial nos próximos anos como uma revolução de entrada em novos mercados por parte das companhias telefônicas aonde a entrega de informação em vídeo e formatos multimídia será o novo "boom" em prestação de serviços de comunicação de dados para usuário comuns. Um novo cabeamento levaria décadas para atingir todos os assinantes, mas o sucesso destes serviços novos dependerá do alcance de todos os assinantes quanto possível durante os primeiros anos de sua implementação sem a troca do cabeamento já existente.

Trazendo filmes, televisão, catálogos vídeos, CD-ROM’s remotos, LAN’s incorporadas, e a Internet em casas e negócios pequenos, o ADSL fará os mercados de comunicação de dados viáveis e lucrativos, para companhias de telefone e provedores de aplicação semelhante. Veja nas linhas a seguir o funcionamento da tecnologia ADSL.

 

 

 

COMO FUNCIONA O ADSL

 

 

A tecnologia ADSL basicamente divide a linha telefônica em três canais virtuais, sendo um para voz, um para download (de velocidade alta) e um para upload (com velocidade média se comparado ao canal de download). É como se uma avenida fosse dividida em três faixas para permitir um maior fluxo de veículos. Teoricamente, as velocidades de download podem ir de 256 Kbps até 6.1 Mbps. No caso do upload essas taxas variam de 16 Kbps até 640 Kbps. É por causa dessas características que o ADSL ganhou o termo "assymmetric" (assimétrica) no nome, pois indica que a tecnologia possui maior velocidade para download e menor velocidade para upload.

Repare que entre os três canais, há um disponível para voz. Para separar voz de dados na linha telefônica, é instalado na linha do usuário um pequeno aparelho chamado Splitter. Nele, você conecta o cabo que sai do aparelho telefônico e conecta o cabo que sai do modem.

Na central telefônica também há uma espécie de Splitter. Assim, quando você realiza uma chamada telefônica (voz), o sinal é encaminhado para a rede de comutação de circuitos da companhia telefônica (PSTN - Public Switched Telephone Network) e procede pelo seu caminho habitual. Quando você utiliza a internet, o sinal é encaminhado ao DSLAN, que é explicado logo abaixo.

Quando uma linha telefônica é usada somente para voz, essas chamadas utilizam freqüências baixas, geralmente entre 300 Hz e 4000 Hz. Na linha telefônica é possível usar taxas mais altas, mas elas acabam sendo desperdiçadas. Explicando de maneira simples, o que o ADSL faz é aproveitar essas freqüências que não são usadas para a transmissão de dados. Como é possível usar mais de uma freqüência ao mesmo tempo na linha telefônica, é então possível usar o telefone para voz e dados ao mesmo tempo. A ilustração abaixo exemplifica este esquema:

 

 

 

 

A tecnologia ADSL funciona instalando-se um modem específico para esse tipo de conexão na residência ou empresa do usuário e fazendo-o se conectar a um equipamento na central telefônica. Neste caso, a linha telefônica serve como "estrada" para a comunicação entre esses dois pontos. Essa comunicação ocorre em freqüências acima de 5000 Hz, não interferindo na comunicação de voz (que funciona entre 300 Hz e 4000 Hz). Como a linha telefônica é usada unicamente como um meio de comunicação entre o modem do usuário e a central telefônica, não é necessário pagar pulsos telefônicos, pois a conexão ocorre por intermédio do modem e não discando para um número específico, como é feito com o acesso à internet via conexão discada.

Isso deixa claro que todo o funcionamento do ADSL não se refere à linha telefônica, pois esta é apenas um "caminho", mas sim ao modem. Quando seu modem estabelece uma conexão com o modem da central telefônica, o sinal vai para um roteador, em seguida para o provedor e finalmente para a internet. É importante frisar que é possível que este sinal saia diretamente do roteador para internet. No Brasil, o uso de provedor é obrigatório por regras da Anatel. No entanto, essa questão não será discutida aqui.

O sinal citado acima, depois de enviado à central telefônica, é separado e os dados vão para um equipamento DSLAN (Digital Subscriber Line Access Multiplexer), que limita a velocidade do usuário e uni várias linhas ADSL (é este equipamento que faz com você navegue a 256 Kbps mesmo quando sua conexão suporta 2 Mbps), enviando o sinal para uma linha ATM (Asynchronous Transfer Mode) de alta velocidade que está conectada à internet.

Em outras palavras, a central telefônica suporta uma certa quantidade de usuários ao mesmo tempo. Cabe ao DSLAN gerenciar todas essas conexões, "agrupá-las" e enviar esse grupo de conexões à linha ATM, como se fosse uma única conexão.

Praticamente todas as empresas que fornecem ADSL só o fazem se o local do usuário não está a mais de 5 Km da central telefônica. Quanto mais longe estiver, menos velocidade o usuário pode ter e a conexão pode ter instabilidades ocasionais. Isso se deve ao ruído (interferência) que ocorre entre um ponto e outro. Quanto maior essa distância, maior é a taxa de ruído. Para que haja uma conexão aceitável é utilizado o limite de 5 Km. Acima disso pode ser possível, mas inviável o uso do ADSL para o usuário.

 

 

 

           

A taxa de passagem dos dados depende de vários fatores, tais como o comprimento da linha de cobre, diâmetro, presença de derivações, e interferência de outros pares. A atenuação da linha aumenta com o comprimento e a freqüência, e diminui com aumento do diâmetro do fio. Ignorando as derivações, o ADSL terá a seguinte performance:

 

 

Taxa

Medida do Fio

Distância

Diâmetro

Distância

1.5/2.0 Mbps

24 AWG

18.000 pés

0.5 mm

5.5 Km

1.5/2.0 Mbps

26 AWG

5.000 pés

0.4 mm

4.6 Km

6.1 Mbps

24 AWG

12.000 pés

0.5 mm

3.7 Km

6.1 Mbps

26 AWG

9.000 pés

0.4 mm

2.7 Km

 

 

Enquanto a medida varia conforme a empresa, estas capacidades podem cobrir até 95% da planta dependendo da taxa de dados desejada. Os clientes além destas distâncias podem ser atendidos com um sistema digital baseado em fibras óticas. Enquanto estes sistemas de cabeamento ficam comercialmente disponíveis, as companhias de telefone podem oferecer acesso virtualmente presente em um tempo relativamente pequeno.

 

 

 

A VELOCIDADE NO ADSL

 

 

A exata velocidade de dados é relativa à distância. Por exemplo, se você morar próximo a uma central telefônica que provê seu acesso ADSL, você terá maiores velocidades. A velocidade de recepção de dados será uma média de 4Mbps até 640Kbps, e nunca será inferior a 1 Mbps.

A transferência de dados atingirá até 640 Kbps e nunca será inferior a 160 Kbps. Estas velocidades dependem das restrições geográficas e da opção de serviço a ser contratada. Essas velocidades são altíssimas se comparadas com os 56Kbps desenvolvidos pelos melhores modens convencionais. Uma grande vantagem do ADSL está no fato de que sua velocidade continua a mesma independente no número de usuários conectados, pois cada usuário possui uma linha dedicada e não irá compartilhar essa linha com mais ninguém.

Casos em que pode haver redução de velocidade:

-         Grandes distâncias entre o usuário e a central telefônica.

-         Mais de um equipamento acessando Internet na mesma casa.

-         Muitos usuários acessando o mesmo serviço ao mesmo tempo. Por exemplo, 500 usuários efetuando o download do Internet Explorer ao mesmo tempo, isso causará uma certa lentidão, não do ADSL, mais sim do servidor da Microsoft que está disponibilizando o aplicativo naquele instante.

O sistema também permite a conversa ao telefone ao mesmo tempo em que os dados estão sendo transmitidos através da Internet. Segundo dados coletados, a voz ocupa apenas 1% do canal, os outros 99% são destinados à rede. Com todos esses parâmetros o ADSL melhora a utilização de recursos multimídia, vídeo conferência, etc.

 

Velocidades:

 

Velocidade
(kilobits por segundo)

Ganho
(em relação a modem de 56 kbps)

256

357,14%

512

814,28%

2 (Megabits por segundo)

3557,14%

 

 

 

 

TECNOLOGIA



O ADSL depende de um processo digital avançado de sinal e algoritmos criativos para comprimir a informação para linhas de telefone com pares-trançados. Além disso, foram necessários muitos avanços em transformadores, filtros analógicos, e conversores de AC/DC. As linhas de telefone longas podem atenuar sinais a 1 MHz (a extremidade inferior da faixa usada pelo ADSL) por 90 dB, forçando as seções analógicas do modem ADSL a trabalhar muito para atingir faixas largas e dinâmicas, canais separados, e manter baixas figuras de ruído.

No lado de fora, o ADSL parece um simples duto de dados síncrono transparente com várias taxas de dados em cima de linhas de telefone comuns. No lado de dentro, onde todos os amplificadores trabalham, há um milagre da tecnologia moderna.

 

 

 

 

Ao criar canais múltiplos, os modens ADSL dividem a largura de banda disponível de uma linha telefônica em uma das suas duas formas: Multimídia por Divisão de Freqüência (FDM) ou Cancelamento de Eco. O FDM determina uma faixa inferior de dados e outra faixa superior. A inferior é dividida então através de multimídia por divisão de tempo em um ou mais canais de alta velocidade ou em um ou mais canais de baixa velocidade. A faixa superior está também multiplexada em canais correspondentes de baixa velocidade. O cancelamento de eco sobrepõe a faixa superior na inferior, e separam os dois por meio de cancelamento de eco local, uma técnica conhecida em modens V.32 e V.34. Em ambas as técnicas, o ADSL divide uma faixa de 4 kHz da linha comum até o final da banda.

 

 

Um modem de ADSL organiza o fluxo de dados agregado, criado por multimídia de canais, canais dúplex, e manutenção de canais agregados em blocos, prendendo um código de correção de erro a cada bloco. Os receptores, então, corrigem erros que acontecem durante a transmissão até os limites indicados pelo código e extensão do bloco. A unidade pode, por opção do usuário, criar também superblocos de dados intercalando páginas em branco dentro dos sub-blocos; isto permite ao receptor corrigir qualquer combinação de erros dentro de um pedaço específico de bits. Isto permite a transmissão efetiva de dados e vídeo com sinais semelhantes.

 

 

 

CONFIGURAÇÃO MÍNIMA

 

 

Windows: Pentium de 133 MHz ou similar, 32 Mb de RAM, Windows 95/98, kit multimídia, placa de som, CD-ROM, vídeo SVGA, placa de rede Ethernet 10/100 Mbps e 50 Mb de espaço no disco rígido.

 

 

 

PLATAFORMAS QUE SUPORTAM O ADSL

 

Foram testados microcomputadores rodando Windows 95/98, Mac OS System 7.5.3 ou mais atuais com Open Transport 1.1. Outros computadores ou sistemas operacionais podem rodar se atualmente rodarem IP Dial-up e suportarem DHCP (dynamic host configuration protocol) incluindo as seguintes opções de configuração:

-         Endereço IP;

-         Máscara de subrede;

-         Default gateway;

-         Servidores DNS.

Seu computador e sistema operacional devem também suportar HTTP.

 

 

 

PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS UTILIZADOS EM ADSL

 

 

 

Modem ADSL:

 

O modem ADSL é colocado no computador do usuário e é ele que faz o processamento de dados referente à alocação das informações de recepção de dados, transmissão de dados e voz em seus respectivos canais.

 

 Divisores de potência:

 

Divisores de potência e filtros colocados na residência do usuário e na Estação telefônica permitem a separação do sinal de voz da chamada telefônica do tráfego de dados via ADSL.


DSLAM:

 

Na estação telefônica cada par telefônico é conectado a um mutiplexador de acesso DSL (DSLAM). A função do DSLAM é concentrar o tráfego de dados das várias linhas com modem DSL e conectá-lo com a rede de dados. A conexão através de circuitos ATM é a mais utilizada em redes ADSL. Existem equipamentos DSLAM que assumiram o papel de nó de acesso incorporando sistemas de comutação ATM.


Rede de dados:

 

A rede de dados a que se conecta o DSLAM poderá ser a rede do provedor de conexão com a Internet ou qualquer outro tipo de rede de dados. As redes telefônicas foram utilizadas durante anos para voz. A taxa máxima de transmissão de dados era de 56 kbit/s.

Como o ADSL conseguiu mudar esta situação? Aumentando a freqüência de transmissão.

 

 

No ADSL a faixa de freqüências de transmissão nos pares de cobre é dividida em três canais:

·        Serviço telefônico convencional de Voz (0-4 kHz);

·        Dados originados no cliente e transmitidos para a rede;

·        Dados originados na rede e transmitidos para o cliente.

É possível desta forma a operação simultânea dos serviços de voz e ADSL e o aumento da taxa de dados pela utilização de freqüências mais altas.

 

Lidando com a Interferência:

 

O aumento das taxas de dados implica na elevação da potência do sinal o que aumenta a interferência cruzada (diafonia) entre os vários pares de fios de cobre utilizados em sistemas ADSL. Os problemas de interferência ocorrem com maior gravidade no lado da rede quando da recepção dos sinais provenientes do cliente pelo DSLAM. É na Estação telefônica que se agrupam vários pares de fios criando um ambiente propício para interferência cruzada quando da recepção destes sinais que utilizam a mesma faixa de freqüências. Como o problema de interferência é assimétrico é possível transmitir sinais com taxas de dados mais altas no sentido da rede para o cliente do que no sentido oposto. O ADSL tira partido desta situação.

 

Compensando a Atenuação:

 

A taxa máxima de transmissão de dados do ADSL depende da atenuação no par de fios que está sendo utilizado. A atenuação aumenta com os seguintes fatores:

  1. Maior comprimento dos fios de cobre;
  2. Menor diâmetro do fio;
  3. Existência de derivações na rede;
  4. Maior freqüência de transmissão.

Técnicas avançadas de modulação foram desenvolvidas de forma a minimizar o efeito da atenuação em sistemas ADSL. As principais são Carrierless amplitude/fase (CAP) e Discrete multitone (DMT).

 

Distâncias e taxas de dados típicas:

 

·        4,8 km para 2 Mbit/s e 2,7 km para 8 Mbit/s no sentido da rede (DSLAM) para o cliente.

·        16 kbps a 640 kbps no sentido do assinante para a rede.

 

As várias tecnologias que compõe a família DSL, utilizadas para provimento de serviços de dados de alta velocidade utilizando pares de fios de cobre são genericamente referenciadas como xDSL. Apesar de ser o mais utilizado para Internet o ADSL apresenta algumas características que não são adequadas para outras aplicações, como assimetria, não suporta múltiplas transferências de dados e consome muita potência. 

Apresenta-se a seguir outras tecnologias da família DSL.

 

Tecnologia

Pares de fio

Telefone

e dados

Transmissão

Taxa de dados

Utilização

ADSL

Asymmetric DSL

1

Sim

Assimétrica

1,5-8 Mbit/s
64-640 kbit/s

Mais popular. Utilizado para acesso a Internet.

RADSL

Rate-adaptive DSL

1

Sim

Assimétrica

1-7 Mbit/s
128k-1 Mbit/s

Variação do ADSL que permite o ajuste da taxa de transmissão de acordo com a necessidade do cliente

HDSL

High-bit-rate DSL

2

Não

Simétrica

2 Mbit/s

Uma das primeiras tecnologias DSLs a ser usada amplamente. Utilizada para o provimento de serviço de linhas dedicadas de 2Mbit/s.

SDSL

Symmetric DSL

1

Não

Simétrica

768 kbit/s

Implementação do HDSL utilizando 1 par de fios

G.shdsl

1

Não

Simétrica

até 2,3 Mbit/s

Novo padrão que melhora a performance do SDSL

MSDSL

Multirate SDSL

1

Sim

Simétrica

n x 64 kbit/s até 2 mbit/s

Variação do SDSL que permite o provimento de serviços TDM com múltiplas taxas de dados.

IDSL

ISDN DSL

1

Não

Simétrica

até 144 kbit/s

Empregado em acessos ISDN

Reach DSL

1

Sim

Simétrica

até 1 Mbit/s

Projetado para suportar as condições mais adversas da rede externa.

 

O ADSL faz parte da família xDSL que utilizam pares de cobre da rede telefônica para prover acesso local até o assinante. As operadoras no Brasil vem há muito tempo utilizando o HDSL para provimento de serviços de linha dedicada de 2 Mbit/s. A qualidade deste serviço depende em grande parte da seleção do par telefônico.

O risco de queima de equipamento por incidência de raios é uma das desvantagens desta tecnologia em regiões tropicais como grande parte do Brasil. O  sistema ADSL está sendo utilizado pela maioria das operadoras de serviço telefônico fixo comutado no Brasil para provimento de serviço de banda larga para acesso a Internet em que o usuário passa a dispor de uma conexão permanente.

O Speedy da Telefônica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT são exemplos deste tipo de serviço.

 

 

COMO OS MODENS PARA ADSL FUNCIONAM

 

No computador de um usuário:

 

Dentro de seu PC: O modem ADSL de seu computador conecta-se a uma linha de telefone analógica padrão.

Voz e Dados: Um modem ADSL tem um chip chamado "POTS Splitter" que divide a linha telefônica existente em duas partes: uma para voz e uma para dados. Voz viaja nos primeiros 4 kHz de freqüência. As freqüências mais altas (até 2 MHz, dependendo das condições da linha, densidade do arame e distância) são usadas para tráfego de dados.

Dividida Novamente: Outro chip no modem, chamado "Channel Separator", divide o canal de dados em duas partes: uma maior para download e uma menor para o upload de dados.

 

 

 

Na Central Telefônica:

 

Pelo Fio: Na outra ponta do fio (18000 pés de distância no máximo) existe outro modem ADSL localizado na central da companhia telefônica. Este modem também tem um "POTS Splitter" que separa os chamados de voz e de dados.

Chamadas de Telefone: Chamadas de voz são roteadas para a rede de comutação de circuitos da companhia telefônica (PSTN - Public Switched Telephone Network) e procede pelo seu caminho como de costume.

Pedidos de Dados: Dados que vem de seu PC passam do modem ADSL ao multiplexador de acesso à linha de assinante digital (DSLAM - Digital Subscriber Line Access Multiplexer). O DSLAM une muitas linhas de ADSL em uma única linha ATM (Asynchronous Transfer Modem) de alta velocidade que fica conectada a Internet por linhas com velocidades acima de 1 Gbps.

De Volta ao Usuário: Os dados requeridos anteriormente retornam da Internet e são roteados de volta através do DSLAM e o modem ADSL da central da companhia telefônica chegando novamente ao seu PC.

 

 

 

 

 

 

PARÂMETROS DO ADSL

 

Na prática, um circuito ADSL conecta um modem ADSL em cada ponta de uma linha de telefone de par-trançado comum e cria três canais lógicos de alta velocidade para recepção de dados, um canal duplex de média velocidade (dependendo da implementação da arquitetura de ADSL na companhia telefônica), e uma POTS (Plain Old Telephony Services ou linha de voz comum utilizada hoje pelas companhias telefônicas).

O canal de POTS é dividido do modem digital por filtros, garantindo canal de voz ininterruptos, até mesmo se houver falhas com o ADSL. As faixas de capacidade do canal de alta velocidade podem ir de 256 kbps a 6,1 Mbps, enquanto a faixa de capacidade das taxas duplex vão de 16 kbps a 640 kbps. Cada canal pode ser submultiplexado para formar canais de múltiplas taxas mais baixas dependendo do sistema utilizado.

Os modens ADSL provêem dados de acordo com os padrões norte-americanos e europeus de hierarquias digitais e pode ser comprado com vários alcances de velocidade e capacidades. A configuração mínima provê 256 kbps para recepção de dados e um canal duplex de 16 kbps. Outros provedores oferecem taxas de 6,1 Mbps para recepção e 256 kbps para transmissão de dados. Produtos com taxas acima dos 8 Mbps de recepção e 640 kbps de transmissão já existem. Os modens ADSL acomodaram transporte de redes ATM com taxas variáveis e compensação de overhead gerados nestas redes, bem como redes baseadas nos protocolos IP.

 

 

Muitas aplicações previstas para o ADSL envolvem vídeo comprimido digital. Com um sinal em tempo real, o vídeo digital não pode ter o nível de erro comumente encontrado em sistemas de comunicações de dados. O modem ADSL incorpora um sistema de correção que dramaticamente reduz os erros causados por ruídos elétricos, além dos presentes nos pares-trançados.

 

 

VANTAGENS

 

 

Alguns provedores oferecem a estrondosa velocidade de 2 megabits por segundo para download. Na teoria, significa que você pode baixar um arquivo de 15 Mb em até um minuto (na prática, também depende de alguns fatores, como congestionamento em servidores, localização geográfica do site visitado e outros). É claro que a mensalidade do acesso para essa velocidade é bastante caro.

Você navega quando e por quanto tempo quiser. Apesar do sistema ADSL operar por meio da linha telefônica, não são computados os pulsos para acesso à Internet. Você não paga mais do que a mensalidade acertada com a operadora de telefonia.

 

 

 

DESVANTAGENS

 

 

No caso do acesso ADSL, o aluguel do modem é a modalidade mais praticada. Isso significa que haverá um acréscimo na sua mensalidade. E que, no caso de cancelar a assinatura ou decidir trocar de provedor, você terá que devolver o modem.

Além da mensalidade do provedor de acesso ADSL (uma operadora de telefonia) e da referente ao aluguel do modem, tem mais uma: a do provedor que vai oferecer a infra-estrutura de servidores de correio eletrônico (com suporte), conteúdo para banda larga e outros serviços. Convém ficar de olho nas promoções.

 

 

 

PROTOCOLO PPPoE

 

 

Diante das informações acima, você deve se perguntar porque em muitos casos é necessário usar um programa para se conectar a internet, se o ADSL permite uma conexão permanente usando unicamente o modem. O ADSL por si só é um meio físico de conexão, que trabalha com os sinais elétricos que serão enviados e recebidos. Funcionando dessa forma, é necessário um protocolo para encapsular os dados de seu computador até a central telefônica. O protocolo mais utilizado para essa finalidade é o PPPoE (Point-to-Point over Ethernet RFC 2516).

O protocolo PPPoE trabalha com a tecnologia Ethernet, que é usada para ligar sua placa de rede ao modem, permitindo a autenticação para a conexão e aquisição de um endereço IP à máquina do usuário. É por isso que cada vez mais as empresas que oferecem ADSL usam programas ou o navegador de internet do usuário para que este se autentique. Autenticando, é mais fácil identificar o usuário conectado e controlar suas ações.

Você pode estar se perguntando: porque os primeiros serviços de ADSL do país davam IP fixo ao usuário, sem necessidade de usar o PPPoE, ou seja, porque o PPPoE não foi usado antes? Naquela época, o protocolo PPPoE era novo (foi homologado em 1999) e conseqüentemente pouco conhecido. Com isso, o usuário usava ADSL através de uma conexão direta do modem à central telefônica, sem necessidade de autenticar. Mas quando as empresas começaram a descobrir as vantagens do PPPoE passaram a implantá-lo. Isso permite à companhia ter mais controle sobre as ações do usuário.

 

 

 

AMPLIANDO O PODER DE CONEXÕES ADSL

 

 

Essas dicas são trabalhadas para otimizar conexões banda larga como ADSL. Vale ressaltar que nem tudo é preciso, para se utilizar essas dicas, faz-se necessário bom senso e muita atenção.

 

Windows 98:

 

Abra o registro do Windows, no comando Executar, digitando "REGEDIT" e procure pelo caminho abaixo:

HKEY_LOCAL_MACHINE\System\CurrentControlSet\Services\VxD\MSTCP

Do lado direito da tela clique com o botão direito do mouse criando um novo valor da seqüência, dando o nome de "DefaultRcvWindow"e clicando duas vezes,  o valor deve ser o da tabela abaixo:

 

Pequeno

Médio

Grande

Ultra

16384

32768

65536

131072

OBS: Para cada valor utilizado, reinicie o computador para fazer efeito.

 



Ao alterar o registro, reinicie o computador.

Mas qual valor escolher? Você poderá começar com o menor valor. Em seguida fazer um download de um arquivo predeterminado. Você anota a taxa de download e em seguida passa para um valor maior. Vá repetindo esse procedimento até chegar um ponto que a velocidade não esteja aumentando. Você escolhe aquele valor que o resultado for maior. Se você tiver dois valores que não perceba diferença, escolha o menor.

E este arquivo predeterminado? Você tem que escolher um arquivo para download que esteja em um provedor localizado em sua cidade (de preferência) ou o mais perto possível, para que a rota seja o mínimo possível. O horário para fazer os downloads também é de extrema importância. Horários com baixo trafego são os mais apropriados.

E este download? Para cada valor (pequeno, médio, grande e ultra) você deve anotar as taxas de downloads obtidas. Ao começar o download você deve esperar que se estabilize em um número fixo. Não é necessário fazer o download completo e não se esqueça: antes de refazer o download apague seus arquivos temporários.

Estes resultados podem variar de usuário para usuário, deve-se procurar sempre as condições ideais para fazer o teste. Não adianta por impulso, colocar o valor de recepção em ultra já que valores muitos altos de DefaultRcvWindow podem ocasionar em perda de pacotes de dados.

Quando se tem uma perda de pacotes muito grande, obtêm se um resultado contrário ao esperado, já que a conexão faz nova requisição dos dados perdidos.

 

Windows 2000:

 

Para o windows 2000 o procedimento é parecido com o do Windows 98, sendo que o caminho do registro é:

HKEY_LOCAL_MACHINE\System\CurrentControlSet\Services\Tcpip\Parameters

Do lado direito da tela deverá dar um valor TcpWindowSize como DWORD segundo os valores hexadecimais abaixo:

 

Pequeno

Médio

Grande

Ultra

00004000

00008000

00010000

00020000

 

 

 

PADRÕES E ASSOCIAÇÕES

 

 

 

O American National Standart Institute (ANSI), trabalhando no grupo T1E1.4, aprovou recentemente um padrão de ADSL a taxas de até 6.1Mbps (ANSI Padrão T1.413). O European Technical Standart Institute (ETSI) contribuiu com um anexo a T1.413 refletindo as exigências européias. T1.413 incorpora uma única interface terminal. A Edição II ampliará o padrão para incluir uma interface de multiplexação nos terminais, protocolos para configuração e administração de cadeia, entre outras melhorias.

O ATM Fórum e DAVIC, ambos reconheceram o ADSL como um protocolo de transmissão de camada física para pares trançados sem blindagem.

O ADSL Fórum foi formado em dezembro de 1994 para promover o conceito de ADSL e facilitar o desenvolvimento de arquiteturas de sistema ADSL, protocolos, e interfaces para as principais aplicações ADSL. O Fórum tem aproximadamente 300 membros que representam os provedores de serviço, fabricantes de equipamento, e companhias de semicondutores de todo o mundo.

Foram testados, com êxito, modens ADSL em mais de 100 companhias de telefone nos EUA, operadoras de telecomunicações, e milhares de linhas foram instaladas com tecnologias variadas na América Norte, Europa e Ásia. Algumas companhias telefônicas planejam diversas alternativas de mercado que usam o ADSL, principalmente porque têm acesso a dados, mas também incluindo aplicações em vídeo compras on-line, jogos interativos, e programação educacional.

As companhias de semicondutores introduziram transceptores de chipsets que já estão sendo usados como alternativa de mercado para os modens. Estes chipsets combinam os componentes comuns, processadores digitais programáveis e costumização da ASICS. O investimento efetuado pelas companhias de semicondutores aumentou a funcionalidade, reduziram custos, baixou o consumo de energia, possibilitando o desenvolvimento em massa de serviços baseados em ADSL.

 

 

 

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES SOBRE ADSL

 

 

 

Qual a velocidade que eu consigo alcançar com o ADSL?

Resposta: Com a conexão convencional atinge-se uma velocidade média de 28 Kbps a 56 Kbps. Com o ADSL você terá uma velocidade de até 256 Kbps para download e 64 Kbps para uploads, na versão mais básica. Um download que levava horas pode ser feito em apenas alguns minutos.

 

Eu vou ficar conectado à internet 24 horas?

Resposta: Sim. Além disso, você vai ter acesso à internet sem cobrança de pulso telefônico.

 

Eu posso utilizar meu telefone enquanto estiver na internet?

Resposta: Sim. Você pode usar seu telefone (ou fax) e navegar na internet ao mesmo tempo, sem nenhuma interferência na conexão enquanto usa o telefone. Ou seja, a velocidade não se altera e não é necessário ter uma linha adicional dedicada para a internet.

 

O número do meu telefone irá mudar?

Resposta: Não. Como o ADSL será instalado na sua linha telefônica, não haverá mudança do número atual.

 

O que eu preciso ter para comprar o ADSL?

 

 

O ADSL pode ser ligado em rede?

Resposta: Sim. O ADSL foi desenvolvido para ser utilizado em apenas em um único computador, mas pode ser utilizado em rede desde que haja um servidor proxy instalado.

 

Qual o preço do ADSL?

Resposta: O preço varia dependendo do tipo de conexão que o cliente desejar (rápida, média, etc). Por isso a mensalidade pode ir de R$ 60,00/mês até R$ 500,00/mês.

 

O provedor está incluso nos preços do ADSL? Quais são os preços cobrados pelos provedores?

Resposta: Você precisa contatar o provedor para se informar dos preços e conteúdos de banda larga oferecidos.

 

O ADSL possui IP fixo?

Resposta: Não. O ADSL tem IP dinâmico, fornecido pela prestadora de serviço telefônico.

 

Em caso de falta de energia elétrica o ADSL continuará funcionando?

Resposta: A linha funcionará normalmente para receber e originar ligações. Quanto ao acesso, continuará funcionando caso haja uma alimentação elétrica alternativa no seu computador.

 

O ADSL funciona com sistema operacional Linux?

Resposta: Sim.

 

Posso instalar ADSL no Macintosh?

Resposta: Sim. Disponibilizado somente com o uso de Modem com Router (modelo 812 3Com).

 

Posso ter ADSL em pessoa jurídica?

Resposta: Não há nenhum problema. Tanto pessoas físicas quanto jurídicas podem utilizar o ADSL.

 

Existe algum limite mensal de downloads e uploads?

Resposta: Não. Você pode fazer quantos downloads e uploads desejar.

 

É preciso placa de rede para instalação do modem externo?

Resposta: Depende do microcomputador do cliente e do tipo de modem que deseja. O modem externo Dual Link possui interface para placa de rede com RJ-45 e USB. Já o modem com router, possui interface apenas para placa de rede com RJ-45.

 

Posso usar o ADSL em uma linha conectada à uma central PABX?

Resposta: Não. Por enquanto, o ADSL é incompatível com uma central PABX. Mas a Brasil Telecom já está pesquisando soluções que permitam essa conexão.

 

Dependendo da região e do provedor o ADSL pode reduzir a velocidade?

Resposta: O tráfego ADSL é feito por rajadas. Ou seja, por não ser tráfego constante, pode apresentar alguns momentos de lentidão. Isso está relacionado com o tráfego na internet naquele momento.

 

Eu posso usar o ADSL para hospedar uma home-page (domínio próprio)?

Resposta: Não. O ADSL foi desenvolvido para ser um acesso pontual de um computador a um provedor previamente escolhido. Não é possível fazer conexão entrante.

 

O que é conexão entrante?

Resposta: Conexão entrante é qualquer conexão remota feita ao computador onde está instalado o ADSL. Exemplos: acesso remoto via FTP (para consultas e arquivos), SMTP (servidor pessoal de e-mails), HTTP (consulta de páginas na internet usadas por webmasters ou web designers).

 

O ADSL é bidirecional? E quais os valores de upstream e downstream alcançados?

Resposta: Sim é bidirecional, porém assimétrico, pois os valores de downstream e upstream são diferentes. Os valores alcançados são os seguintes:

 

Modalidade Velocidade Usuário-Provedor (Upstream) Velocidade Provedor-Usuário (Downstream)

 

 

O ADSL é compatível com os serviços da linha inteligente?

Resposta: Sim. O ADSL é compatível com todos os serviços da linha inteligente.

 

O ADSL é dividido em canal de voz e dados. Posso colocar um modem no canal de voz?

Resposta: Sim.

 

Quais a vantagens do ADSL em relação às conexões via cabo?

Resposta:

ü      O cliente não precisa comprar um pacote de TV a cabo;

ü      Não há obrigatoriedade em contrato de permanência mínima de 24 meses com o ADSL;

ü      Não há limite de download de arquivos;

ü      Mais segurança (conexão ponto a ponto);

ü      Possui 3 velocidades à sua escolha;

ü      Tecnologia de ponta;

ü      O cabo pode ficar congestionado. O ADSL não, pois a banda não é partilhada com outros usuários.

ü      Além de tudo isto o ADSL é mais veloz e mais barato que a conexão via cabo.

 

 

 

BIBLIOGRAFIA

 

·        NOLASCO, Dirlon Itameri. Arquitetura de redes e meios de transmissão de dados. 2002. 97 fp. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal, Campo Grande, MS, 2002. Orientador: Prof. Francisco José da Silva.

 

·        FLORES, Kleiser. Projeto de redes de computadores. 2000. 64 fp. Trabalho de conclusão de curso (Graduação)- Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal, Campo Grande, MS, 2000. Orientadora: Profª. Cátia Garcia Morais.

 

·        SOUSA, Lindeberg Barros de. Redes de computadores: dados, voz e imagem. 6. ed. São Paulo: Érica, 2002. 484 p. Ilus. Bibliografía.

 

·        SABER ELETRONICA. São Paulo: Saber, v.v. 37, n. 345, out. 2001.

 

·        SILVEIRA, Jorge Luis da. Comunicação de dados e sistemas de teleprocessamento. São Paulo: Makron Books, 1991. 199 p. Bibliografia.

 

·        MONTORO, Fabio de Azevedo. Transmissão de dados e modem. 2 ed. Sao Paulo: Erica, 1990. 265 p. Bibliografía.

 

·        BLANKENHORN, Dana et al. Modem para iniciantes: Tradução de Julio Bernardo Ludermer. Rio de Janeiro: Ciencia Moderna, 1993. 201 p. Acompanha disquete.

 

·        HELD, Gilbert. Modem: o guia de referencia completo. Rio de Janeiro: Campus, 1992. 226 p. Insight.

 

·        GORALSKI, W., ADSL and DSL Technologies (Computer Communications), McGraw Hill, 1998, 383p.

 

·        http://www.gta.ufrj.br/seminarios/semin2002_1/sidney/adsl.htm

 

·        http://www.infowester.com/adsl.htm

 

·        http://www.eletronica.org/modules.php?name=News&file=article&sid=11

 

·        http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialdsl/pagina_2.asp

 

·        http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialdsl/pagina_3.asp

 

·        http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialdsl/pagina_4.asp

 

·        www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialdsl/pagina_5.asp